23 de abril de 2017

A Soberania de Deus









A centralidade da minha fé é certeza da soberania de Deus. Não duvido do poder de Deus. Não desconfio da sua onisciência. Não me abro ao teísmo aberto. Não há razão alguma para se crer num Deus impotente ou mais ou menos onisciente. Deus é completamente onipotente, onisciente e onipresente, ou não é Deus.


Creio num Deus soberano, e essa é a razão da minha fé. Creio num Deus que é Deus. Creio num Deus - inigualável em sabedoria - que tem todo poder no céu e na terra. Creio no Deus revelado na Escritura, que aniquila a vaidade dos príncipes e reduz a nada os juizes corruptos da terra. Creio no Deus que fortalece ao cansado e dá vigor ao que está sem forças. Creio no Deus que diz: Eu sou Deus, e não há nenhum outro; eu sou Deus, e não há nenhum como eu.


Não me iludo comigo mesmo. Reconheço as limitações da minha vontade, mente e coração, e busco socorro em Deus. Abraço a sua sabedoria, oculto-me no manto do seu poder e vivo animado pelo seu amor. Dependo de Deus para tudo. Sem a graça de Deus – miserável homem que sou! - eu nada posso fazer. Sim, nele eu vivo, existo, me movo, respiro e me inspiro.


Um Deus mais ou menos, coisa estranha, não seria capaz de satisfazer as necessidades e fomes da minha alma. Um Deus mais ou menos, quando muito, é risível, pois não é Deus. É só qualquer coisa inventada por homens com coceira nos ouvidos... Gente que – no dizer de Paulo a Timóteo - gosta de amontoar para si doutores conforme as suas próprias concupiscências...
_VBMello

17 de abril de 2017

Fé e cruz

Mas nenhuma perdeu a fé?...
A fé, você sabe... no princípio
É como quando se era criança
Nosso pai nos levava pela mão
Nos dava segurança...
Mas chega um momento...
Eu acho que sempre chega
O pai solta a nossa mão
E nos sentimos perdidos
Sós na escuridão
Nós chamamos
Mas ninguém responde
Não estamos preparados
Somos surpreendidos
E é um duro golpe no coração...
E isso é a cruz...
Por trás de toda alegria
Está a cruz.
*

Extraído do filme Agnus Dei

15 de abril de 2017

Bem-aventurados os que choram













A fé em Jesus nos coloca acima da nossa dor e descortina diante do nosso coração, a nossa realidade eterna. Não há consolação maior do que crer e ter a firme convicção de que os sofrimentos do presente não podem se comparados com a glória que em nós será revelada. 


A fé na soberania de Deus, nos fornece os meios - não para o escape -, mas para suportar com bom ânimo, todas as aflições deste mundo. Não nos tira do mundo, porque nos tirar do mundo, disse Jesus, nunca foi a vontade de Deus. Jesus não viveu retirado do mundo. Falsa é a fé que promete escapismos. Falso é o pregador que aponta um atalho de fuga para longe das aflições do mundo. A verdadeira fé produz bom ânimo, não fuga. Deus não nos deu espírito de covardia, mas de luta. Ela, a fé, se verdadeira, não nos introduz no mundo dos escapismos baratos da teologia da prosperidade, nem nos enreda nas ilusões corriqueiras de uma confissão positiva e triunfalista, como se vê muito, hoje em dia, para vergonha do verdadeiro evangelho, em cada esquina. 


Ela, quando verdadeira, nos mantém com os pés firmes e fincados na realidade. Não diz que treva é luz. Não diz que a mentira é verdade. Diz a verdade sempre e nunca promete o que Deus não prometeu. Não ilude, não engana, não faz barganhas. Não pede nada em troca, além da fé, pois tudo é graça. Não promete milagres onde a graça de Deus é mais do que suficiente. 


O seu compromisso é com o pão nosso de cada dia, e não com carros, joias e riquezas. Ela não promete secar as nossas lágrimas, mas dá um sentido para elas. Mostra que não choramos em vão. E diz que bem-aventurados são também os que choram, tanto quanto os que sorriem. 


Portanto, meu irmão, não se desespere, nem se deixe enredar por ilusões, pois maior do que o golpe do sofrimento, é o conforto da fé que diz que não existe sofrimento que dure para sempre... Façamos da convicção de Paulo, a nossa própria convicção, quando ele disse: Estou absolutamente convencido de que os nossos sofrimentos do presente não podem ser comparados com a glória que em nós será revelada. É isso.
_VBMello

14 de abril de 2017

Paixão arrebatadora por Jesus








Se você tem uma paixão consumidora por Jesus, não tente explicar essa paixão avassaladora para nenhum incrédulo declarado, pois ele não te compreenderá. Como poderia compreender, se não quer compreender? 


Nada de novo debaixo do céu. Para pessoas hostis a Cristo, não apenas as nossas palavras, mas a nossa vida inteira será distorcida e usada contra nós. Foi assim que agiram maliciosamente contra o próprio Cristo. Diante desse tipo infantil de calúnia, não vale a pena perder tempo se explicando e se defendendo. Melhor calar, como Cristo se calou. Os próprios acusadores, de um modo ou de outro, se complicarão com as suas mentiras, pois nada podem contra a verdade. Discutir com eles seria se rebaixar ao nível deles. Definitivamente, não temos tempo para perder com acusadores mentirosos. A obra que Deus nos confiou exige todo o nosso tempo. Não temos tempo para perder com quem não trabalha ao nosso lado, pela causa do Evangelho. Como disse Paulo, não existe nenhuma comunhão entre a luz e as trevas.

12 de abril de 2017

A minha alma transborda


Não temo a direção do Senhor
A sua misericórdia não tem fim
Se me conduz ao deserto
É para o crescimento
Da minha a alma



Se permanece em silêncio
Quando clamo e imploro
É para que eu aprenda ouvir



Se permite que crises me envolvam
Não é para a minha derrota
É para o amadurecimento da minha fé



No dia da minha maior aflição
Quando leões rugiam ao derredor
Os teus olhos viram a minha face
E o meu coração acalmou
Livrou-me da boca do leão
Não temo mais, nem o que rosna, nem o que late
Em toda e qualquer ameaça, aprendi a confiar no Senhor
Mantenho a paz que o Senhor me deu
Na sua presença o meu coração se transforma
A minha alma transborda
As palavras jorram
O homem que eu era ontem
Hoje, agora, nesse momento, eu não sou mais



Todo dia, o tempo todo, sem cessar
Ando nascendo de novo
Tornando-me uma nova criatura
O meu coração sabe coisas
Que a minha razão nem desconfia
Vivo pela fé
Um amanhecer sem fim
Com vozes de eternidade
Ecoa nas profundezas da minha alma
Já não posso me conter
O teu Espírito se move em mim
Estou rico da sabedoria dos lírios do campo
E inspirado pela simplicidade das aves do céu
O chão duro do meu coração estremece
O Senhor está aqui... Está em mim... Sou dele e ele é meu
A minha alma canta e dança de alegria na sua presença...
_VBMello

Vivendo através da oração














No lugar mais profundo do meu coração
Onde as vozes do mundo não chegam
Nas profundezas de um silêncio sereno
Na vastidão de uma solidão inexprimível
Quando todas as luzes do mundo se apagam
Permanece apenas um desejo
O maior e mais sagrados dos desejos
Falar com Deus e ouvi-lo falando ao meu coração
Buscar a Deus e ter comunhão com Deus
É o instinto, se posso dizer assim
Mais poderoso de todo o meu ser
A minha alma, sem cessar, o tempo todo
Tem fome e sede da presença de Deus
Para me compreender é preciso compreender
Esse meu desejo constante pela presença de Deus
Quem me olha sem compreender isso
Quem me julga – sem ser por essa medida
Pensa que sou louco, ou coisa pior...


Através dos desertos desta vida
A oração tem sido a minha salvação
Toda vez que eu tropeço e caio
É por meio da oração constante
Que Deus me socorre e me levanta
Se ainda não afundei de vez nos mares da vida
É porque no meu grito: Senhor, salva-me!
Ele me tem socorrido e me salvado do afogamento


Por meio da oração, atravessei
Crises inimagináveis de depressão
Prostrado diante de Deus
Com lágrimas nos olhos
Mil vezes já venci a morte certa


Por meio da oração
Suporte mil decepções
E algumas traições
Calado, aguentei perdas 
E humilhações insuportáveis


Não apenas com um turbilhão de palavras bonitas
O meu coração se derrama diante de Deus
Oração é muito mais do que palavras
Às vezes – muitas vezes
Tudo que tenho são silêncios
Outras vezes, só tenho vazios
Então, feito lágrimas, derramo na presença de Deus
As angústias dos meus silêncios e vazios do coração


No lugar secreto do meu coração
Nas profundezas da minha alma
Sozinho com o Espírito de Deus
Nunca disfarço os meus sentimentos
Se o meu coração se encontra cheio de angústia
Não disfarço isso - Derramo a minha angústia
Na presença do Espírito de Deus
Se está desesperado e ansioso
Derramo todo o meu desespero
Na presença de Deus
Desnudo-me do meu desespero
E Deus me veste com espírito de vida e paz
Rendo-me completamente, sem disfarces e sem medos
Deus nunca recusou as minhas orações
E a minha gratidão é constante, sem cessar
Sem Deus, mil vezes já teria morrido
Com Deus ao meu lado... Todo dia é dia de renascimento
_VBMello 

11 de abril de 2017

Textos inacabados












Revirando arquivos antigos, encontrei textos que comecei e nunca terminei. Resolvi postá-los assim mesmo, inacabados, como quem os escreveu...

***

Prostrados diante de Deus, vou caminhando... Conheço o caminho, sei o destino, mas não é fácil caminhar... O caminho é estreito, e a vida de fé é uma luta que não tem fim... Tropeço e caio... Em silêncio, diante da glória do Pai, que me atrai com laços de amor, vou aprendendo o que falar e o que calar... Através da floresta da desconfiança, confiante que o Eterno não me faltará, ainda que todos me faltem, reúno as forças e mantenho o ânimo diante da face fria das impermanências e aflições deste mundo... Logo tudo vai terminar, o Espírito me diz. Logo tudo isso vai terminar. Não existe escuridão que dure para sempre... Firmo os olhos e vejo uma luz na escuridão... sigo em frente...

9 de abril de 2017

Mudanças













Quando o caminho muda
Tudo muda
Nas coisas de Deus
A fé vence as dúvidas
O amor vence o ódio
O perdão subjuga o rancor
O velho homem morre
Um novo homem nasce
O coração de pedra é abandonado
Um coração de carne nos é dado

Antigos e inúteis laços são desfeitos
Ilusões são deixadas
Máscaras são retiradas
Novas esperanças são abraçadas
A simplicidade é acolhida no coração
E a vida ganha novos horizontes

A pessoa deixa de ser inconveniente
Deixa de contar bravatas individuais
Pois percebe que a verdadeira realidade
De todo ser vivente nascido neste mundo
Só se realiza mediante apoio mútuo
Justiça, verdade, amor e divisão do pão
E descobre que a vida é um dom que se multiplica
Em sinceras entregas de solidariedade e compaixão

Sim, quando o caminho do nosso coração muda
Tudo muda... Muda o modo de falar e muda o modo de olhar
Gradativamente, sem cessar, todo dia, muda o modo de agir
Muda o modo de ouvir e muda o modo de pensar
Até que a existência inteira – sem parar
Num doce e suave milagre cotidiano
Seja completamente arrebatada e tomada
Por anseios de verdadeira alegria, paz e vida eterna...
_VBMello

7 de abril de 2017

Bem-aventurados os misericordiosos















A misericórdia exige um olhar puro. Onde existe espírito de julgamento e condenação. Onde a pessoa “non grata” é olhada - superficialmente - a partir de um momento infeliz de sua vida, e não a partir da plenitude da sua existência e possibilidades, a misericórdia não tem nenhuma oportunidade de acontecer. Num ambiente crivado de críticas e julgamentos, só o caos floresce. Só a escuridão frutifica.



É muito fácil apontar o dedo e falar o que vem na boca. É mais fácil ainda - isso acontece o tempo todo - chamar a nossa opinião de verdade. Portanto, se desejamos “fazer” alguma justiça, precisamos primeiro abrir mão das nossas manias e facilidades de julgamento. Precisamos abrir mão das nossas (supostas) verdades. Deus nos pede isso. Cristo nos pede isso. (Somos cristãos?). O Espírito de vida, verdade e justiça, insistentemente, nos pede isso. 



Julgar e condenar é próprio do velho homem, que não conhece a Deus. Amar é próprio do novo homem. Antes de abrirmos a boca para falarmos isso ou aquilo de alguma pessoa – ou de um grupo de pessoas – importa-nos nascer de novo. Importa se demorar diante do espelho da própria consciência. A verdade é que - antes de se enxergar - ninguém enxerga o outro. E quem se enxerga, não julga ninguém. Por razões óbvias.



Para sermos misericordiosos, precisamos nos desfazer do espírito de crítica, julgamento e condenação. Precisamos descer do pedestal da nossa suposta superioridade moral. Precisamos olhar com amor – afinal é o amor, caso alguém tenha se esquecido, que nos torna reconhecíveis como seguidores de Cristo. Aquele que não ama não conhece a Deus. Aquele que não ama não conhece coisa alguma. Aquele que não ama é arrogante, orgulhoso e só pensa em si. Na linguagem do Apocalipse de João, é cego, surdo, pobre, nu e miserável.



Saber alguma coisa sobre a vida de uma pessoa, não é conhecê-la. Conhecer alguém exige mais do que ouvir boatos. As pessoas só podem ser conhecidas pela via do amor. Tal conhecimento só é possível a quem se coloca no lugar do outro. Para conhecer o outro não basta olhar de longe. É preciso se aproximar, ouvir a sua história e se colocar no lugar dele. É preciso ser misericordioso. A misericórdia abre o nosso coração para a “verdade verdadeira”, muda o nosso olhar e desfaz os nossos julgamentos precipitados.



Compreendemos melhor quando abrimos mão da nossa tendência de julgar. Compreendemos melhor o comportamento e as palavras das pessoas que amamos. Por isso, o mandamento de Deus não faz rodeio e vai direto ao cerne da questão: Amar a todos igualmente, inclusive os inimigos. Porque quem ama – esse é o dom da misericórdia -, compreende a sina do outro. Pode não concordar com ele, mas o compreende... E ao invés de julgar, oferece a sorte de uma nova oportunidade de recomeçar a vida.



Quem julga e condena impõe ao outro algo de seu. Deste modo, a verdade sobre a nossa (rápida) tendência para julgar o outro, fala mais sobre nós do que sobre a pessoa que criticamos, julgamos e condenamos. As nossas críticas, julgamentos, implicâncias e "verdades", revelam os nossos preconceitos, intolerâncias, neuroses, traumas e dificuldades de lidar com o que não é parecido com nós. Revelam o quanto nós ainda somos infantis e limitados. Revelam a céu claro, para quem tem olhos para ver e ouvidos para ouvir, a atrofia da nossa consciência e a angústia - quase escrevi hipocrisia - da nossa alma.



Assim, esvaziar-se completamente dos nossos preconceitos é o caminho para uma vida de misericórdia, e também um passo muito importante para começarmos a olhar para nós mesmos, e, quem sabe, nos tornarmos pessoas melhores. Com efeito, o espírito de misericórdia sempre nos transforma em pessoas melhores, mais conscientes, mais justas e menos infantis...



É isso. Bem-aventurados os misericordiosos, porque eles sabem que não são melhores do que ninguém e reconhecem que igualmente precisam da misericórdia de Deus e dos seus irmãos de humanidade.
_VBMello

Angústia























O caminho da felicidade
Está no coração da pessoa
Pulsando e chamando sem cessar


A pessoa sabe o que precisa fazer
Sente a insistência do chamado
E sabe que está diante da graça de Deus
Mas porque tudo na vida tem um preço
E nas coisas do coração, não existe ganho sem perda
A pessoa vai dizendo não ao seu chamado
E continua andando na contramão do seu caminho


Segue incerta pela estrada de outra pessoa
Imitando outras vidas
Ao invés de viver por si
Buscando em outros caminhos
A felicidade que só quem caminha
No seu próprio caminho
Pode encontrar e desfrutar plenamente


Depois de um tempo – que pode durar décadas
A pessoa encontra-se acabada, cética e decepcionada
Do ponto de vista dos arranjos e considerações do mundo
Não se pode dizer que fracassou (completamente) na vida
Afinal, construiu um patrimônio e criou um nome...
Mas apesar da aparência de uma vida bem-sucedida
A alma - sempre a alma - permanece cansada e oprimida


Às vezes, num sonho, ou num ato falho
Ou mesmo num insight inesperado
Na frente do espelho
A antiga verdade do coração
Mesmo acorrentada sob o peso
Dos arranjos do mundo exterior
Sobe até a superfície da sua vida
E deixa um rastro denunciador
De angústia, vazio e desespero
Deixando-a permanentemente cativa
De uma ansiedade que não consegue explicar
E ela vive como se precisasse dizer alguma coisa
Tateando aqui e ali, sem jamais encontrar
As palavras certas para dizer o que quer
Alguma coisa essencial dentro dela, ela sabe... está morta
E a sua dor interior é muito, muito profunda
Às vezes, apesar de tudo que conseguiu
Ou por causa dos casamentos fracassados
Dos filhos ingratos e de uma tristeza generalizada
Sente que a vida não valeu a pena e se pergunta: É só isso?
Quando dorme, mesmo ao lado de alguém, sempre só
Desejaria fechar os olhos e nunca mais acordar


Do ponto de vista do mundo
Não possui culpa alguma
Foi fiel a todos os seus arranjos
Não traiu, nem enganou ninguém
É uma boa pessoa, todos dizem
Todavia, apesar dos elogios e aplausos
Na angústia das noites insones
A sua alma cobra dela o preço
De uma traição terrível
Enterrou o seu talento
E disse não ao seu destino
Não vive exatamente a sua vida verdadeira
Representa um papel que o mundo lhe deu
E não importa o que faça ou conquiste
Pesa sobre os seus ombros cansados
A angústia insuportável e desgastante 
De um sentimento de dor e incompletude
Sob a aparência maquiada da sua pele
Que é tudo que as pessoas enxergam
Desejam, invejam, tocam e querem
A sua alma transita solitária e perdida 
Num labirinto de espaços escuros e vazios 


Não é impunemente - nunca foi - que se diz não
Ao chamado de uma vida única e criativa
Ser como todo mundo... Isto é, entrar na manada 
E seguir inconsciente na mesma direção
Só é possível a preço de alma
Um preço que ninguém 
Nem o mais rico dos homens
Encontra-se preparado para pagar
A vida, se pura, sincera e verdadeira
Para ser única, plena e criativa
Exige renúncia, coragem, humildade e fé 
Para seguir um destino maior
Que no fundo do seu coração
A pessoa sabe que nasceu para seguir


A pessoa que nega o seu chamado maior
Tarde demais compreende - não sem arrependimento
Que a voz que vale a pena ouvir e seguir
É a que pulsa dentro do próprio coração
Como chamado de Deus para a sua vida
E que fugas e arranjos externos
Mesmo depois de uma vida inteira
Não invalidam o direito e a primazia do coração


E que apesar de viver uma vida inteira
Trabalhando, sendo justa e se esforçando
Jamais pode encontrar a felicidade desejada
E se for honesta consigo mesma – se for
Dirá que tudo que faz é para pagar o preço
De ter dito não ao seu chamado existencial
Que por nunca ter podido sufocá-lo completamente
Agora - arrependida - periga de terminar a vida
Sufocada pelo esforço ingênuo de passar a vida
Tentando sufocar o seu verdadeiro caminho e destino...
_VBMello